sexta-feira, 30 de maio de 2014

Aí você atravessou o mundo pra ver um jogo de bola aqui em Recife e enquanto espera o jogo fica com fome... vai no autibeque? No mequedonaldes? Vai nada, vai ter que comer pela rua mesmo, que você é um turista de várzea, um turista moleque igual ao futebol brasileiro. Então, sendo mais específico dá aquela vontade de um docinho e pá! Em cada esquina, em cada fiteiro, em cada carroça uma oportunidade pra você. Confira mais uma lista!

Pipoca tem no mundo todo, doce igual a daqui eu não sei. Sem mais.
Pipoca aaaaa, cheiro de pipoca espalhando no ar
4 - Churros
Em qualquer parque e praticamente todas as ruas do centro você come churros recheado. Procure os que são feitos na hora, são mais caros que os dormidos (1 real contra 50 centavos geralmente) porém muito mais saborosos. Coma quente e queime a boca com a massa açucarada-acanelada fumegante e alivie com o doce de leite.
Churros, churros, que não é o da dona Florinda
3 - Cavaco
O refinado sabor dos sinais, 10 vezes mais saboroso que qualquer profiteroles que o dinheiro pode comprar de "chefs" vaidosos e sem amor. Finíssima massa laminada com afiado sabor adocicado.
Profiteroles de cavaco, ou algo assim
2 - Nêgo bom
40 é 1 real, 40 nêgo bom é 1 real! Nunca descobri do que é feito, desconfio que a massa é de goiaba (ou de caju?) e que o açúcar é de cana. Se encontrar essa suculenta delícia compre, pois está cada vez mais difícil de encontrar (de comer 40 nem falo...).
Olha o nego bom em sua embalagem clássica
1 - Japonês / Quebra-queixo
Na minha infância de menino do interior, o melhor doce era o quebra-queixo. O cara passava gritando, todo mundo ia pras portas, quem ia comprar ele armava o tabuleiro e com uma ESPÁTULA de pintor tirava sua lasca daquele melado de coco, com a consistência mais liguenta e saborosa já inventada. Achei que nunca encontraria igual. Aqui em Recife eles chama o quebra-queixo de japonês, e, não me pergunte o motivo pois eles teimam em mudar o nome das comidas e defender essas heresias. O japonês eu dou um desconto, já que aqui tem um de amendoim e de castanha que completam a soberba do de coco puro.
Este poeta concorda com o quebra-queixo japonês!
Entra na posição meio por não ser bem uma comida, é gelo raspado com xarope mancha pulmão. Nesse calor, refresca pra caramba.
Quase certeza que foi feito com água do rio
0,25 - Mungunzá doce
Aí o recifense com sua mania de mudar o nome das comidas faz um melegô de milho e leite de coco e chama de mungunzá. Nunca cheguei perto, tenho medo de ser castigado e Thor jogar o martelo na minha cabeça. Nego-me, nego-me...

Rodolfo Nícolas é de rua.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Tá aí, vai ter ou não vai ter copa, ninguém sabe ainda como vai ser, mas se tu vens (tu vens, eu já escuto teus sinais) de fora pra Pernambuco ver algum dos jogos é bom ter uma noção de onde está se metendo. O RecifEstranhO vai dar algumas dicas desse esquema para você (mesmo o visual novo tendo atrasado igual as obras da copa...). Caso não entenda português, também fizemos esse texto para você e, ao colá-lo no google tradutor terá noção do que acontece.

E nesse primeiro guia, para se situar dos entornos da arena pernambucana, nada melhor do que música. Todo lugar que se preze algum trovador já escreveu alguma música ou cantiga falando de suas pradarias. Recife e sua região metropolitana estão na mesma (é, o jogo é alardeado que é em Recife mas na verdade é numa cidade vizinha, mas vou fingir que me pagaram e vou falar mais de Recife) e tem boas músicas falando de suas ruas e bairros. Segue a belíssima seleção feita por nossos redatores!

5) Bob - Otto
Nosso querido barriga branca que nunca está sóbrio nos shows, nos brindou em sua fase mais tecno-pop com essa beleza musical que gruda na sua cabeça igual chocolate hidrogenado não se desfaz na boca. Uma boa para ir se familiarizando com os nomes de bairros tradicionais da capital pernambucana.


4) Pelas ruas que andei - Alceu Valença
Com belo viés poético, Alceu fala de ruas e bairros tradicionais de Recife onde ele procurou alguém. Talvez ele nunca tenha encontrado, mas nada impede que você procure.


3) Guia de Olinda - Erastos Vasconcelos e Eddie
É injusto falar de Recife sem  falar em Olinda, são cidades irmãs e coladinhas. Dá pra ir de uma até a outra pegando um ônibus vale A. Erastos escreveu esse mapa falado de Olinda e suas ruas famosas e com jeito carnavalesco, mas foi com o(a) Eddie que todo mundo ficou conhecendo. E se tu vier pra Recife e não for em Olinda, tu falhou na vida.


2) Recife minha cidade - Reginaldo Rossi
Depois de já ter se acostumado com os nomes das ruas e bairros, escute o finado Rei do brega fala da sombra e água fresca de sua Recife (e Olinda também) idealizada e boa de praia.


1) Leão do Norte - Lenine
Tá, a copa tá marcada pra Pernambuco e o melhor clichê das coisas da nossa terra foram condensados por Lenine nessa composição clássica do cancioneiro popular nordestino. Ele fala de muitas coisas do estado que você tem que conhecer, claro que ele foca na região litorânea que é o lugar de onde ele é e onde fica a capital. Apesar de Pernambuco não ser só isso, dá um bom panorama do que está na superfície mas, acredite, o melhor está mais para o lado do interior.

0,5) Recife - Jorge Cabeleira
Mas em Recife e Pernambuco nem tudo é alegria e festa (na verdade é bem pouco), e, Jorge Cabeleira fala das diversas mazelas que afligem nosso povo desde muito tempo. E isso não vai mudar com a Copa e depois dela parece que também não...


Rodolfo Nícolas cantou Salgueiro em verso e prosa.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

////
Por esses dias vai acontecer na Casa do Cachorro Preto em Olinda um curso de técnicas de pintura com aquarela ministrado por Beto França. Talento sobrando que pode respingar em você, saca aí no link: https://www.flickr.com/photos/betofranca/. Rapaz... apesar de nunca ter entrado no estabelecimento onde o curso vai acontecer, eu sempre me lembrava do meu companheiro Gonnosuke, que poderia ser muito bem descrito pelo nome da casa. 
Linda bb feita por Beto França - esta e as outras imagens foram retiradas do flickr do artista